Valor Econômico – Aulas ajudam profissionais na transição tecnológica

foto30esp-101-cursos-g2

Aulas ajudam profissionais na transição tecnológica

Cursos e programas estão ajudando executivos a se preparar para as transformações provocadas pelo avanço tecnológico. No MBA de gestão de tecnologia da informação (GTI) na Fiap, é cada vez maior o número de alunos não oriundos da área de TI e mais velhos interessados em temas como gestão, inovação e design thinking, diz a coordenadora Andrea Paiva. O curso está em sua 126ª turma – em setembro, começam mais três – e em fevereiro estreou versão on-line com cem alunos.
Um deles é Sandro Melo, controller da Ferreira Costa, home center de materiais de construção com cinco lojas em Recife. Ex-consultor tributário da Deloitte, o executivo percebeu o valor da tecnologia na carreira ainda aos 15 anos, como officeboy operador de telex da Copersucar, e optou pelo curso on-line para dirigir a área de TI da empresa. “Já discutimos como inovações tipo Uber poderão ser atropeladas por tecnologias como blockchain”, aponta.
A Fundação Getulio Vargas (FGV) também ampliou seu cardápio de cursos de TI para gestores. Temas de cursos livres como business intelligence e big data, voltados para profissionais de TI, devem ganhar versão para áreas de negócios no segundo semestre. Além do MBA de marketing digital, oferecido no Rio de janeiro, em São Paulo e em Brasília, em outubro inicia seu primeiro pós-MBA em digital business com turmas no Rio e em São Paulo para abordar temas como novos modelos de negócios e transformação digital.
O programa mira executivos com MBA ou mais de dez anos de experiência e inclui master classes remotas com professores do MIT, para onde o coordenador André Miceli planeja levar turmas de executivos em breve. O gerente de marketing digital da Deloitte, Adriano Ueda, é um dos matriculados no pós-MBA, depois de finalizar o MBA em digital marketing em 2016.
Frequentador de cursos livres mundo afora- tem no currículo programas em Harvard, Cambridge e MIT, entre outros -, Ueda registra resultados do MBA além da atualização de conhecimentos, como o lançamento do livro “Marketing Digital para Startups” (editora Brasport), em agosto, e o desenvolvimento do Índice de Maturidade Digital para empresas brasileiras, em conjunto com professores.
Outra novidade é o módulo internacional liderança estratégica para a longevidade corporativa em ambientes dinâmicos, do programa CEO FGV, realizado pela IBE-FGV e desenvolvido pela mediaX das universidades norte-americanas de Stanford e Harvard.
O módulo pode ser frequentado de forma independente e será ministrado de 26 a 28 de julho no hotel Grand Hyatt, em São Paulo, com condução de Robert Burgelman (Harvard e Stanford), Martha Russel (mediaX) e Pedro Mello (FGV). “Os temas incluem liderança por inovação e tecnologia e estratégias para disrupção da indústria”, adianta Heliomar Quaresma, presidente da IBE-FGV.
Já as sessões de troca de conhecimento entre executivos de alto nível (C-level) são o foco da KES, ou Knowledge Exchange Sessions. “Uma plataforma com vários produtos para ajudar executivos e empresas a entenderem os sinais do futuro”, descreve o CEO Ricardo Al Makul.
O KES funciona com uma espécie de assinatura anual para participação em uma temporada com seis sessões de discussões entre participantes e especialistas em torno de temas como inteligência artificial ou economia circular, derivadas de apresentação de algum palestrante internacional como Alexa Clay, autora do livro “The Misfit Economy”. Também oferece programas “in company”, a exemplo de “Como Destruir sua Empresa”, e viagens — a primeira, para o Vale do Silício, teve 25 participantes, como Paula Bellizia, presidente da Microsoft, Alexandre Costa, fundador da Cacau Show, e Otto von Sothen, presidente da Tigre.
A Laje oferece cursos de 24 horas a 36 horas no Rio, em São Paulo e em empresas em torno dos pilares branding, design thinking e inovação. “Não é uma escola de inspiração. Oferecemos metodologia com ferramental que ensina e capacita o participante”, descreve a sócia diretora Bruna Rezende.

Fonte: Valor Econômico